Últimos artigos

Como contratar pessoas com o perfil que sua empresa procura

Muitos empreendedores enfrentam dificuldades na hora de entrevistar um candidato, principalmente se eles não forem especialistas em Recursos Humanos. Por não possuírem o conhecimento técnico, estes profissionais têm um grande desafio pela frente: a de contratar pessoas que se adaptam e prosperam em um ambiente empresarial.

Não adianta querer preencher a vaga rapidamente com uma das primeiras pessoas entrevistadas ou querer contratar alguém que não seja qualificado só porque você deseja interromper o processo de seleção e voltar à administração dos seus negócios. A contratação de funcionários é um processo lento que exige muita paciência e energia.

Pensando nisso, preparamos este artigo com dicas e orientações valiosas para você não errar e contratar a pessoa certa para a sua empresa.

Uma das diferenças entre os negócios que prosperam e aqueles que fatalmente afundam são os bons funcionários. Como empreendedor em expansão, em algum momento você terá que encontrar bons funcionários, descobrir o que os motiva e colocá-los em cargos que tanto eles como a empresa prospere.

O processo seletivo realizado para avaliar os candidatos que concorrem à uma vaga deve ser bem elaborado. É preciso determinar quais são as habilidades exigidas desse futuro profissional e analisar se esse candidato será capaz de agregar valor e se adequar à cultura da empresa.

Será que você tem ciência disso? Vamos ver.

contratar-pessoas-1

Uma boa entrevista de emprego

É importante destacar que as pessoas se preparam para a parte técnica da entrevista, mas o comportamento de um candidato é uma parte que conta muito em um processo, pois em pequenas ações é possível perceber o engajamento.

Por isso, dê uma olhada também em um outro artigo que falamos sobre a linguagem corporal em entrevistas de emprego.

Lá falamos a respeito dos mecanismos mais comuns que são avaliados por outras pessoas numa relação direta, e quais as orientações para se sair melhor. Nem sempre é possível controlar tudo, mas conhecendo bem quais as principais armadilhas, fica mais fácil compreender o que é bem ou mal avaliado e aprender a fazer uma leitura de certas reações.

Afinal de contas, trabalhar com uma equipe que compartilha os mesmos valores e conceitos é fundamental para atingir o sucesso nas empresas.

Delegar tarefas a pessoas de confiança agiliza o dia a dia no trabalho, mas nem sempre é possível saber se o funcionário recém-contratado irá corresponder às expectativas e se adaptar à empresa.

A estrutura de um processo de seleção

Antes de qualquer coisa, defina bem as características do profissional para ocupar a vaga que está aberta. Nenhum processo de recrutamento é bem feito sem essa definição clara: qual é o perfil, as competências e as necessidades da empresa.

Depois, é hora de encontrar os perfis profissionais que tenham aderência ao que você busca. Selecione os finalistas (três a cinco) que realmente mereçam ser entrevistados e validados por todas as áreas que manterão relacionamento com eles no futuro.

Uma vez aprovado o candidato ideal, é necessário fazer uma checagem de referências completas do profissional, além de uma avaliação comportamental e psicológica, para minimizar erros possíveis.

Dicas valiosas para contratar pessoas

1 – Depois que tiver em mente o perfil que deseja, entre em contato com colegas, pessoas com que já trabalhou e amigos do ramo para obter orientação. Por exemplo: se estiver procurando um vendedor, converse com seus clientes para ver quem os atende melhor;

2 – Quando começar a receber os currículos, leia-os com atenção e rabisque suas dúvidas ou curiosidades a respeito do histórico que lhe é apresentado pelo candidato;

2 – Pense sempre nas características necessárias ao bom desempenho na determinada função. O funcionário precisará ter um raciocínio rápido? Terá que lidar com pressão e metas? É necessário que ele tenha habilidade para se comunicar com outras pessoas? São alguns exemplos;

3 – Seja cordial e tente deixar o candidato à vontade, sendo objetivo e fazendo com que a pessoa sinta que você está investindo tempo, pois acredita que ela valha a pena;

4 – Comece com perguntas despretensiosas para quebrar o gelo e deixar o candidato mais à vontade. Pode ser uma pergunta sobre o trânsito, o clima, alguma notícia que repercutiu muito no dia, etc. Fuja daquelas perguntas que podem fazer o candidato engasgar como “fale um pouco sobre você”, “como você trabalha sob pressão”, ou “como se vê daqui 5 anos?”.

5 – Pergunte ao candidato o que ele faz no final de semana, se pratica esportes, que tipo de filme prefere, que tipo de música, que tipo de comida… Estas perguntas podem parecer meio bobas, mas a pessoa sai da tensão ou da programação da entrevista e se solta mais. Aí você consegue perceber se gosta mais de ambientes de grupos, se é mais fechada, se é criativa, pragmática, refinada, etc.

6 – Desligue seu celular, avise seus colegas que estará em reunião importante (que não pode ser interrompido) e mantenha-se interessado no que o candidato tem a dizer, ao responder suas perguntas;

7 – Anote o que julgar importante para não esquecer os fatos ou características que lhe chamarem a atenção durante a fala do candidato;

8 – Fique atento para a coerência entre o que ele “diz” e o que ele “faz”. Se o candidato se diz organizado mas está com a camisa desabotoada, cabelos bagunçados ou camisa desbotada, alguma coisa está errada. Se o discurso não é alinhado, provavelmente o candidato trouxe a informação, pois acredita que seja importante para a função e não porque realmente o seja assim;

9 – Lembre-se de que perfis distintos trazem soluções mais ricas, pois conseguem ver o mundo de formas diferentes, o que traz ganhos para a sua empresa, amplia horizontes, melhora o ambiente e minimiza riscos pois vários ângulos serão analisados em cada tema;

10 – Se no meio da entrevista você perceber que o candidato não é o perfil que a empresa procura, reduza as perguntas, mas procure ouvir algo relacionado ao comportamento, pois, às vezes, sua opinião pode mudar. Sem dúvidas, é mais fácil aprender um conteúdo técnico que mudar um comportamento de alguém;

11 – O combinado não sai caro, não é mesmo? Deixe claro com os profissionais o tempo e o prazo do processo, mencione a data que pretende dar um feedback e a cumpra, tanto para o feedback positivo (aprovação ou próxima fase) ou de agradecimento pela participação. O importante é que a resposta seja dada, e de preferência, dentro do prazo informado;

12 – Se possível, realize diversas entrevistas. Conversar várias vezes com os candidatos faz com que você conheça mais esse profissional, e ainda pode contar com a opinião de terceiros (outros gestores, sócios e/ou futuros colegas de trabalho deste candidato);

14 – Se estiver procurando pessoas de alto nível e sua rede não tiver ninguém com este perfil, talvez seja necessário contratar os serviços de uma empresa de recrutamento e seleção. Eles são especializados em reter talentos;

Utilize as redes sociais contratar pessoas de alta performance

As redes sociais se tornaram bons locais para encontrar e verificar incoerências e atitudes de candidatos. O LinkedIn, por exemplo, é uma poderosa ferramenta para conhecer a vida profissional das pessoas. É possível realizar um processo seletivo inteiro através dele, analisando candidatos e seus currículos, como já é feito por muitas empresas. Lá estão os melhores profissionais do mercado, sem dúvida.

Já o Facebook, Twitter e Instagram também podem oferecer informações valiosas sobre os candidatos. Apesar de todo mundo dizer que é preciso separar vida pessoal e vida profissional, uma pessoa que apresenta comportamentos ofensivos, preconceituosos e desrespeitosos em seu perfil provavelmente levará estas atitudes para o cotidiano de trabalho.

Como desempatar um processo seletivo

Sabia que as redes sociais também podem servir como critério de desempate em um processo seletivo?

Pelo menos esse é o critério utilizado por muitas empresas que estão na dúvida entre dois ou mais candidatos que se assemelham nas competências técnicas, mas que ainda há duvidas sobre um prisma comportamental.

Hoje é comum que as empresas valorizem o comportamento do profissional e a facilidade de se relacionar, uma vez que a experiência e os outros conhecimentos técnicos podem ser adquiridos ou aprimorados no cotidiano.

Outros critérios bastante utilizados: envolvimento com trabalhos sociais, fluência em outros idiomas, visual condizente com a ocupação, senso de humor… Para mais detalhes, não deixe de dar uma olha neste artigo que preparamos.

18_criterios_desempate1

Resumindo

E ai? Achou menos árdua a tarefa de contratar pessoas? Vamos ao nosso resumo:

1 – Falamos sobre a importância de investir em um processo capaz de avaliar todas as competências e habilidades exigidas para um posto. Para isso, elas devem ser avaliadas antes mesmo de analisar os currículos;

2 – É preciso ter paciência para acompanhar a evolução do processo. A rápida contratação de um profissional pode trazer prejuízos futuros, uma vez que seus valores podem diferir da cultura do negócio;

3 – Analise o bom comportamento, a inteligência emocional e as ações e reações do candidato;

4 – Se ajudar, gaste um tempo analisando as redes sociais do candidato, ou tente encontra-los através de redes profissionais como o Linkedin;

5 – Por fim, se a dúvida persistir, tente estabelecer um bom critério de desempate condizente com o espírito da empresa e a natureza do cargo;

Pintou alguma dúvida ou tem alguma sugestão a dar? Utilize os comentários para contribuir com o desenvolvimento de artigos cada vez mais assertivos. Até a próxima!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>