Últimos artigos

Otimizar páginas para melhorar a performance de sua presença na web

Não adianta nada destinar parte do orçamento de marketing para criar um ótimo site ou blog se não existe tráfego – visitas e interacão, para ser mais exato. Afinal, ele precisa cumprir seu papel, de oferecer informações, esclarecer dúvidas, e entregar algo relevante para seu público consumidor ou pessoas interessadas no negócio (ou seja, uma futura conversão em vendas).

Fato é que algo deve estar faltando, e por isso, a tarefa de otimizar páginas pode ser a solução para esse problema. Isso sem dúvida irá melhorar a performance da sua presença na web. Entende-se como “presença” a visibilidade que seu endereço na internet terá em ferramentas de busca, principalmente o Google. Isso é SEO, uma forma da internet lembrar que você existe, é atuante e tem algo a oferecer além de propaganda no sentido amplo da palavra. Para isso, é preciso seguir algumas orientações não muito complexas para chamar atenção e não passar desapercebido. Afinal, boa parte das visitas do seu site certamente partem do diretório de busca mais famoso e usado no mundo.

Neste artigo você verá os principais passos para que o rank do seu site ou blog apresente melhores resultados em um curto ou médio intervalo de tempo.

E lembre-se: não basta só ter a casa arrumada. É preciso ainda se relacionar bem os visitantes e vizinhos: através da correta interação.

A otimização de páginas como estratégia de SEO

A otimização de páginas como estratégia de SEO

Passo nº 1 para otimizar páginas – Os títulos

O título de uma página é a informação que aparece na aba aberta do navegador, logo, é a mesma que aparecerá nos mecanismos de busca dentre um número gigantesco de opções a serem clicadas.

Por isso, o título deve ser algo que atraia o clique do internauta. O ideal é que ele tenha cerca de 70 caracteres, e possua pelo menos uma palavra chave da sua marca. Se seu negócio trabalha com roupas e acessórios femininos, experimente utilizar pelo menos uma das seguintes palavras: moda, roupa, acessório, vestir, sentir, bem-estar, bonita, e por aí vai.

Outra orientação é que, em cada sub página, você crie títulos diferentes, explorando ao máximo o número de possíveis ideias que seu público poderá fazer associações à sua marca.

Vamos dar outro exemplo. Se “moda” foi a palavra-chave utilizada para estampar parte do título da página principal, que tal usar a palavra-chave “roupa” em uma das sub páginas, como a página destinada à explicação do histórico da empresa? É uma sugestão.

Cada sub página é uma oportunidade para posicionar palavras-chave alternativas e diretamente relacionadas com o que você pretende passar para o cliente ou futuro cliente. Por isso inserimos verbos às sugestões, como “vestir” e “sentir”: as sensações e ações também fazem parte do que você quer passar.

No código fonte (HTML) do site, a opção para trocar o título aparece entre a tag <title>.

Meta description (ou meta descrição)

A meta description é um recurso feito para descrever o conteúdo da sua página, e que será exibido pelos mecanismos de busca.

O campo está localizado na tag <head> do código HTML, e não influencia diretamente no posicionamento de uma web, mas interfere na quantidade de visitas e influencia na divulgação via redes sociais.

Explicando melhor: quando um usuário encontra a sua página no Google, ele decide ou não entrar pra verificar a informação, certo? É exatamente a meta description que irá fornecer o “argumento” para ele entrar, ao mostrar um boa descrição que chame a atenção – pelo menos esse é o ideal. Se as visitas aumentas, automaticamente o Google entende que a página merece uma posição melhor no ranking.

Já com relação às redes sociais, o exercício para entendimento é fácil. Quando você cola um link no facebook para mandar a um amigo, já reparou que a publicação aparece com uma foto em miniatura, o título e uma breve descrição? Essa última é exatamente a meta description! Ou seja, um texto bem bolado terá mais chances de fazer com que os seguidores de um perfil pessoal ou institucional entrem na sua web.

Para fechar esse tópico: não repita a mesma meta description em todas as suas páginas, sua web pode ser punida por conteúdo duplicado. Também não use o mesmo texto do título e, claro, nunca deixe em branco.

Cabeçalhos ou Headings

Usar o código correto para destacar as informações certas dentro de um texto é um dos recursos mais importantes para potencializar o SEO da sua página na web. É assim que informamos aos buscadores “de que se trata” o conteúdo de uma página: o que é relevante e o que merece atenção especial.

Cada um dos códigos (cabeçalhos ou headings) – <h1>, <h2>, <h3>….- tem uma função específica. O <h1> indica o título do conteúdo de uma página. É pra falar daquela página em si, não de toda a sua web. Tente sempre incluir a keywords (palavra-chave) principal nesse campo. Melhor se for um texto curto, pra não diluir a importância da palavra-chave. No WordPress em português, o h1 está traduzido como Cabeçalho 1, lá no campo de edição de um texto. O <h2> representa os intertítulos mais importantes do seu conteúdo, que serve pra deixar claro do que se está falando em cada sub tópico do texto. Já o <h3> relaciona-se aos subtemas de cada parte de seu conteúdo. Mas não se preocupe: não possuem uma influência tão grande no SEO. Mesmo assim, quando use o atributo, tente sempre relacionar o conteúdo de cada um entre si. Ou seja, é importante manter a coerência entre os termos que figurem nestes campos.

Do <h4> pra frente, a influência nos buscadores é quase nula, algo semelhante à de um texto sem atributos, então não precisa gastar energia com eles.

Vamos em frente.

Postando imagens

As imagens (fotos, ilustrações, gráficos, gifs…) podem servir para chamar atenção, facilitar a compreensão de algo, ilustrar uma situação, fortalecer pontos de vista, deixar uma mensagem esteticamente mais agradável ou simplesmente para descansar nossa vista entre várias palavras. Elas também são importantes para otimização SEO: além de melhorar a experiência do usuário, as imagens interferem em algumas leituras nos buscadores.

São basicamente duas dicas que temos para passar a esse respeito:

1) Inclua palavras-chave no nome do arquivo: isso facilitará a vida do usuário quando ele estiver procurando alguma foto pelo buscador de imagens. Logo, seu site será priorizado se corresponder ao que ele busca.

2) Utilize o ALT TEST das imagens: essa é uma forma de “descrever” o que a imagem é. O ALT pode ser modificado no código HTML e normalmente editores como o do WordPress permitem abrir uma janelinha onde você insere o atributo.

Um exemplo:

<a href=”http://empreendedorx.com.br/wp-content/uploads/2016/06/26_orcamento_mkt1.png”><img class=”aligncenter size-full wp-image-2401″ src=”http://empreendedorx.com.br/wp-content/uploads/2016/06/26_orcamento_mkt1.png” alt=”orçamento de marketing” width=”1031″ height=”659″ /></a>

(visto que “orçamento de marketing” é o ALT TEXT da imagem)

E para fechar: não exagere na utilização delas. Além do aspecto de “poluição visual”, a página pode demorar muito a carregar totalmente (lembre-se que boa parte do público irá acessá-la via dispositivos móveis, e nem sempre a conexão é boa). Esse aspecto “pesado” também é avaliado pelo sistema dos buscados no processo de rankeamento. Para saber como anda a velocidade de carga do seu site ou blog, existe um recurso chamado PageSpeed Insights do Google. A ferramenta sugere o que pode ser modificado para que a sua página se carregue mais rápido. Nada mal para ajudar na tarefa de otimizar páginas para buscadores, né?

Último passo para otimizar páginas web: níveis de profundidade

Para finalizar (porque muita gente deixa isso para o final), lembre-se de não entender muito os níveis de profundidade de uma página.

Explicando melhor.

Sabe quando o seu artigo está endereçado em algo como: www.suamarca.com.br/blog/cotidiano/interesses/lazer_e_diversao/novidades/artigo.html ????

Note que o “artigo.html” está em um nível de profundidade muito grande em um endereço de URL – mais precisamente em 6 níveis. Se a estrutura de uma página é muito profunda, fica mais difícil pro Google chegar ao final desse emaranhado todo de URLs. Bem difícil.

Por isso, recomenda-se organizar a página com, no máximo, três níveis de profundidade – sem contar com a mainpage. Em outras palavras, a informação da página estará a 3 cliques, e não lá no final do labirinto.

Acerte o alvo em cheio através da otimização de páginas na internet

Recapitulando

Falamos aqui neste artigo da importância de:

1) Valorizar o título da página: é a placa de entrada do seu site;

2) O meta description não pode ser ignorado: é fundamental para aumentar o número de visitantes e ajuda a chamar atenção quando o link da página for postada em redes sociais;

3) Quando destacamos as informações certas dentro de um texto, mais chances de potencializar o SEO. É assim que informamos aos buscadores de que se trata o conteúdo de uma página;

4) As imagens não devem ser ignoradas: com bom senso e atento à descrição delas;

5) E por fim, falamos que quanto menores as URLs, mais fácil ficam de serem identificadas.

Seguindo estes passos, os resultados logo logo começarão a aparecer.

E não se esqueça sempre da importância de monitorar a presença da sua empresa na internet, como já falamos em outro artigo.

Descubra também por que perde seguidores e curtidas nas redes sociais (e clientes em potencial).

Tem alguma experiência sobre otimizar páginas que gostaria de compartilhar com a gente (e com nossos leitores)? É só participar da sessão de comentários.

Bom trabalho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>