Últimos artigos

Investir em mídia online para obter os melhores resultados

Investir em mídia online já não é mais um bicho de sete cabeças: a grande maioria das empresas já entendeu a sua força e suas vantagens. E ultimamente não basta estar só em um lugar. Quanto mais redes e possibilidades, mais chances da sua marca ser encontrada nos buscadores e ganhar visibilidade.

Para conseguir grandes resultados na internet, é preciso não só estar presente, mas se fazer presente: entender o público-alvo, interagir e oferecer tudo aquilo que ele espera.

O tipo de mídia que você escolhe para difundir seus conteúdos é o centro de todo um trabalho de planejamento e manutenção da presença de uma empresa nas mídias sociais. Afinal, há muitas formas de fazer publicidade paga na internet: anúncios no Facebook, links patrocinados, banners, conteúdos patrocinados em blogs, chamadas em vídeo no YouTube. Tudo isso faz parte do universo da mídia paga online.

A escolha e a combinação equilibrada das formas de mídia existentes, certamente farão diferença no desempenho online de uma empresa ou campanha.

Por isso, vamos mostrar neste artigo as diferenças de mídia existentes, e o porquê investir dinheiro na internet tem alcançado os melhores resultados nos últimos tempos.

É fato, as empresas precisam de ajuda para que seus conteúdos e produtos cheguem aos consumidores, pagando ou não. Claro que dá para fazer muita coisa sem gastar, mas com pouco dinheiro, é possível ganhar velocidade e melhorar o marketing online da sua marca.

Hands Holding Icons

Diferenças entre os tipos de mídia online

1 – Conteúdo próprio

Também conhecido como mídia própria, o conteúdo próprio é tudo aquilo que foi pensado, produzido e monitorado pela sua marca. É necessário levar em conta o target, a empresa e a concorrência para poder gerar conteúdo relevante, com qualidade, e que esteja de acordo com o que o cliente espera.

A jogada aqui é gerar conteúdo para que ele seja compartilhado de forma natural. Ou seja: os próprios clientes e quem fazem publicidade da sua marca, a partir das boas experiências que tiveram.

2 – Mídia orgânica

A mídia orgânica agrega toda a possibilidade que sua marca tem de ser compartilhada, receber muitos curtidas ou comentários nas redes sociais de forma gratuita, sem que haja investimento de cunho financeiro.

Em outras palavras, é gerar engajamento de forma natural, esporádica e despertar nos consumidores e possíveis clientes o desejo de compartilhar todo e qualquer conteúdo. É utilizar as ferramentas gratuitas para se mostrar presente e atuante na internet.

A mídia orgânica encontra uma barreira importante que é a competição de espaço: outras empresas também estão fazendo a mesma coisa, então, como se destacar? Quem investe em mídia orgânica, muitas vezes, precisa contar com o fenômeno “sorte”.

3 – Mídia paga

Se sua marca não tem um bom conteúdo próprio (1), deve investir mais em mídia orgânica (2). Agora, se a mídia ganha não está funcionando corretamente, sua empresa deverá investir em mídia paga (3) para alcançar de forma rápida o que foi planejado na estratégia da empresa.

Esse tipo de mídia consiste em anunciar, ou seja, o cliente tem que pagar para ver o anúncio do seu negócio e dessa maneira aumentar o alcance e conquistar os resultados.

Ao investir nessa mídia, o seu negócio pode se destacar em relação à concorrência: a mídia paga facilita ao aumentar a visibilidade da marca e o reconhecimento que cada empresa espera ter. É um encurtador de caminho.

Como era investir em mídia antes e como é agora

Antigamente só se falava em mídia orgânica, que levava por meio dos canais próprios conteúdo relevante, postado e moderado, pela própria marca. Era o meio que recebia mais investimentos por parte das empresas – contratação de profissionais especializados, participação em treinamentos específicos, aquisição de hardware e software de ponta para o desenvolvimento de conteúdos e muito esforço de divulgação online. Através destas publicações, as marcas conseguiam ter visibilidade sem precisar comprar mídia – o que era fantástico! Mas logo se percebeu que o alcance orgânico não seguia um fluxo, e a falta de assertividade com as métricas desvalorizava o trabalho de estrategistas e toda a equipe de criação.

Por isso, hoje, as atividades de social media significam cada vez mais a atuação com a mídia paga. O Facebook por exemplo decretou que as marcas precisam pagar para ter visibilidade, mesmo para atingir pessoas que já seguem e são fãs dessas empresas (clientes ou não clientes). No Twitter e Instagram, a única forma de garantir alcance amplo é dar suporte à criatividade com mídia paga.

Parando para pensar, isso não é injusto, já que as marcas querem usar a ferramenta, fazer negócios e lucrar.

Porque investir em mídia online paga vale a pena

Decidir por uma mídia X ou Y não é menosprezar uma delas, pois todas têm importância e ajudam a sustentar uma estratégia.

A orientação para começar é investir em um plano de ação completo, que contemple todos os passos e possibilidades que vão de acordo com o objetivo da sua marca, o nicho de mercado e as etapas que você pretende executar. Só mesmo depois de uma boa análise é que podemos afirmar qual o caminho mais promissor a seguir.

É importante ressaltar que as mídias não competem entre elas. Na verdade, elas até podem depender umas das outras e ajudar a gerar grandes resultados para o seu negócio online.

De toda forma, decidir investir dinheiro é algo que precisa ser sustentado por bons argumentos. Vamos aos principais:

1 – Mais visibilidade e tráfego

Ter um anúncio online garante que mais pessoas tenham acesso à sua marca quando estiverem fazendo uma pesquisa ou visitando algum site, e isso atrai mais atenção para a sua empresa.

Todo anúncio online é clicável, e isso dá uma chance real para que você receba um potencial cliente no seu site, Assim, ele pode descobrir sua marca e comprar um dos seus produtos.

O tráfego também é um dos fatores que colaboram para uma boa estratégia de SEO e pode melhorar o posicionamento do seu e-commerce ou página oficial nos buscadores.

2 – Resultados mais rápidos

Trata-se de uma estratégia que tem, geralmente, resultados no curto prazo. Você poderá observar os resultados algumas horas depois de seu anúncio ter sido publicado.

3 – Flexibilidade dos investimentos

A mídia paga costuma ter valores bem flexíveis, e por isso não é preciso fazer um investimento alto logo de cara, quando você ainda está conhecendo a ferramenta.

No Facebook, por exemplo, o investimento começa com 1 real. Quanto mais você investe, maior o alcance das suas publicações.

Isso torna a estratégia extremamente acessível a pequenos empreendedores que ainda não têm um grande orçamento para marketing online.

5 – Maior possibilidade de segmentação

Quando você anuncia em um metrô, por exemplo, tem apenas uma vaga ideia de quem são as pessoas que vão ter acesso à publicidade, mas no universo online isso é bem diferente.

Primeiro, você pode escolher o momento de compra: pode anunciar enquanto o consumidor está se entretendo, consumindo conteúdo e até já na pesquisa final de compra.

E também pode segmentar o público por sexo, idade, localização, preferências, interesses e até poder aquisitivo. “Quando você tem um anúncio mais específico, tem maiores chances de gerar uma venda”, explica Leandro Martinez, consultor digital na Basta1Click.

6 – Facilidade para medir resultados

É fácil ter acesso à medição de quantas pessoas clicaram no seu anúncio, quantas efetivamente compraram e até quem chegou no carrinho e desistiu.

As mídias pagas oferecem relatórios bem completos, que revelam esses e outros dados importantes sobre a experiência do cliente e ajudam a melhorar seus anúncios para otimizar os resultados.

7 – Diferentes formatos para apostar

Os três principais modelos para mídia paga são: redes sociais (como Facebook, Twitter, LinkedIn e Instagram, por exemplo), conteúdo (como o UOL Cliques, Boo-Box) e redes de pesquisa (como o Google Adwords).

No primeiro caso, você pode escolher a rede social que mais tenha a ver com seu público e garantir uma aproximação com ele. Se a maioria dos seus clientes está no Facebook, por que não disseminar seu conteúdo por lá e ter a oportunidade de estar sempre presente na vida deles? Existem muitos motivos para sua marca estar presente nas redes sociais, e essa é uma ferramenta que você deve aproveitar.

O conteúdo é eficiente porque combina sua publicidade com informações e desperta o desejo de consumir. Se você tem uma empresa de cerâmicas, uma matéria sobre como montar um jantar para a ceia de fim de ano pode ser o gancho que você precisa para atrair novos compradores.

E anunciar em buscadores, com os links patrocinados, garante que você vai atender um desejo específico de quem está buscando, aumentando as chances de conversão. Os buscadores são excelentes meios para atingir aquele consumidor que já está na fase final do processo de compra. O desejo dele já foi despertado, ele já tem as informações de que precisa e está perto de comprar. Anunciando nos buscadores, você chama a atenção do cliente quando ele está procurando a loja ideal para fechar negócio.

Dollarphotoclub_90131190

Em resumo

Você viu aqui que:

1) Estratégia e planejamento são a alma de qualquer negócio;

2) Mídia paga, mídia ganha e conteúdo próprio trabalham em parceria e podem garantir sucesso e grandes resultados da sua empresa no mundo virtual;

3) Uma mídia paga pode trazer mais público, mais visitas, mais tráfego e diferentes formatos para apostar;

4) A facilidade para pagar e para medir resultados são alguns dos principais argumentos que levam muitas empresas a investir em mídia online.

Viu como vale a pena dedicar parte do orçamento de marketing para entrar e ficar de vez no virtual?

É bem possível que seus concorrentes já estejam anunciando nas mídias pagas e você tem de se manter no páreo com eles.

Se ficou alguma dúvida ou sugestão, utilize os comentários para interagir conosco. Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>