Últimos artigos

Arquivos de Tag: Empreendedorismo

Por que é importante saber Administração

A empresa é resultado de uma idealização do empreendedor, é a realização, em grande medida, de um sonho; é a concretização no plano real do que na sua cabeça um dia contemplou. Mas após criada, a paixão por mantê-la viva e lucrativa passa a ser o motor de suas atividades, mas nunca critério de decisão: a empresa existe para suprir as necessidades do seu público, os clientes. Sua atividade encontra-se na finalidade de atendê-lo pois, pela escolha a que fazem diariamente dos serviços ou produtos, permitem, em parcela ainda que reduzida, a sua perpetuação no mercado. Se a paixão é o que motiva, a administração é o instrumento racional cujo qual permite o empresário ditar os rumos da sua organização.



A selva de pedra que esconde por trás o resultado do esforço colaborativo: as organizações.

A selva de pedra que esconde por trás o resultado do esforço colaborativo: as organizações.

Não tão raro, cada um de nós fazemos diariamente avaliações que envolvem, no mínimo, o serviço ou produto de alguma empresa – pública ou privada – na sociedade.  Comentários como esses costumam ser ouvidos:

“Ah, não consumo produtos daquela empresa porque colocam o aditivo X na comida”

“Que péssimo atendimento tive nesse restaurante!”

“Fui naquele estádio e o achei bastante limpo e organizado”

“Pedi a entrega da pizza para 15:30, mas só chegou uma hora depois”

O que esses comentários revelam? É simples, eles destacam características boas ou ruins do serviço ou produto consumido. Tais características revelam, por trás de todo um processo, uma administração que falhou ou acertou em algum item. Deste ponto de vista, a administração é um um centro de decisões que planeja, organiza, dirige e controla as atividades da empresa, de maneira que entregue o produto ou serviço de acordo com o solicitado. A administração, neste caso, são as pessoas numa tomada de ação racional em torno de um objetivo.

Dentro do contexto dos comentários elaborados acima é comum observar que eles, os clientes, por revelarem uma falha ou êxito, também indicam, baseados na utilização daquele serviço, se retornarão a consumi-lo e, por tabela, acabando comunicando isso aos seus colegas, amigos e familiares sempre que consultados. Nesse sentido, a administração existe para servi-lo: são as pessoas, que na organização trabalham, as responsáveis por deslocar todo o esforço para eles, o usuário do serviço.

Tem um quê de diferença: se o comentário “pedi a entrega da pizza para 15:30, mas só chegou uma hora depois” revela uma falha no processo, a administração se concentra na estrutura para solucioná-lo, por outro lado, como na frase “que péssimo atendimento tive nesse restaurante!”, escancara-se uma percepção do cliente, o foco se redireciona para a opinião dele, fazendo então questão de ouvi-lo para alinhar a prestação do serviço a uma percepção adequada que o cliente possa ter: é a readequação das atividades à percepção do usuário insatisfeito.


A administração: conceito e habilidade

O mundo em seu complexo encontro de produtos e serviços só progride porque, em grande parte, dos recursos limitados que existem, está lá a disciplina da Administração para reger o seu uso adequado e racional. Não é apenas o trabalho duro: é o suor gastado com inteligência. A startup está com falhas? O que fazer? Valer-se da administração para corrigí-las é uma excelente opção. O sistema de transporte é ruim? Que outra matéria melhor que a administração para usar os subsídios tecnológicos que possam solucionar o problema? A sua importância pode ser justificada na frase de Liz Wetzel: “descobrir o que o consumidor quer, é fácil. Fazer algo em relação a isso, é que já não é assim tão simples”.



Administração: do campo a cidade

Administração: do campo à cidade

Fica claro, por agora, que administração envolve pessoas, objetivos e relações. Se da relação das pessoas em torno de um objetivo que surge a Organização como entidade que visa diminuir o caos e fornecer algo de valor, a Administração é o processo, a arte, a atividade e a ciência de atingir os objetivos através do uso dos recursos materiais e das pessoas utilizando-se das suas funções de planejar, organizar e dirigir e das ações tomadas para motivar os funcionários e satisfazer os clientes. É a arte de fazer as coisas ficarem prontas.

Entenda: o administrador educado na ciência de sua formação não é um mero agente de execução de tarefas, mas sim um indivíduo capaz de resolver os mais variados problemas dentro de uma organização. Quando ele é suficientemente habilitado para lidar com a complexidade, as resoluções dos problemas requerem dele itens as quais ele foi educado a exercer profissionalmente: pensar, decidir, elaborar cenários, estratégias, conceitos e teorias. Portanto, administração não é uma disciplina mecânica, é flexível.

Três são as habilidades para a Administração:

- Habilidade técnica, da qual se faz valer de métodos, tarefas específicas e conhecimento específico na execução de uma atividade ou construção de algo;

- Habilidade humana, expressa na capacidade de trabalhar e saber lidar com pessoas;

- Habilidade conceitual, cuja mesma reside em compreender as complexidades das organizações, da adequação de técnicas e pessoas em determinada função, de formular estratégias e estabelecer visões que dirijam a empresa ao sucesso.

Saber administração é importante porque somente ela é capaz de reunir as habilidades e coordenar o esforço colaborativo das pessoas em torno de um objetivo. É crucial aprendê-la pois ela própria não contempla por si só a resposta de tudo e, portanto, acaba fazendo-se valer das outras ciências que melhor estudam outros fenômenos para coordenar as observações técnicas em torno de um resultado capaz de gerar valor.


A capacidade de identificar oportunidades para inovar  

Abrir uma empresa no Brasil é difícil, mas, apesar disso, a quantidade de pessoas dispostas a inovar surpreende: de janeiro de 2014 a março do mesmo ano foram criadas 469.524 empresas de acordo com o indicador Serasa Experian de nascimento de empresas. Tal número impressiona até os mais céticos a fazer uma pergunta: e se não houvessem dificuldades, como seria então no Brasil essa abertura? Muito mais empresas seriam abertas, sem dúvidas. Já que tantas empresas abrem a cada mês e a competição que é alta por conta dessa quantidade e variedade, como prosperar diante deste cenário? Aqui falaremos da principal prática que faz uma empresa ou indivíduo ter sucesso, ser reconhecido como um e sobreviver em ambientes competitivos: a capacidade de identificar oportunidades para inovar.

 

SERASA Expirian

SERASA Expirian

 

Inovar, em seu conceito, é simples. Como já dito em um artigo anterior, “inovar” vem da palavra latina innovo, isto é, ideia, método, função que tem pouca ou nenhuma similaridade com algo anterior já feito. Inovar pode ser também entendido como um modo de romper com o passado. A esse rompimento chama-se inovação de ruptura. Mas a inovação não é apenas de ruptura e, do ponto de vista prático, nem todas são capazes de apresentar tal comportamento.

A inovação é um elemento fundamental para gerar riqueza e ela não tem relação com características pessoais e de personalidade, mas sim com um processo sistemático responsável por gerar as mudanças necessárias positivas e geradoras de riqueza.

Peter Drucker em seu artigo The Discipline of Innovation explica que ela, a inovação, é uma função específica do empreendedorismo, quer seja em um negócio já existente ou numa instituição de serviço público ou em uma startup iniciada por um indivíduo ou uma família. “É o meio pelo qual o empreendedor cria novos recursos de produção valiosos ou endossa recursos existentes com potencial melhorado para criar riqueza” explica Drucker.

Veja bem, já que o empreendedor é aquele que percebe oportunidades para oferecer no mercado, e para inovar é necessário identificar oportunidades, fica claro que a inovação é uma matéria do empreendedorismo, porque ela está contida justamente no que significa ser empreendedor. Vale afirmar que a prática empreendedora requer um certo grau de inovação é uma declaração verdadeira, assim como também é correto afirmar que o elemento em comum que faz o empreendedorismo e a inovação depender uma da outra é a oportunidade.

Empreendedorismo é uma atividade que “no seu coração se encontra a inovação: um esforço para criar uma mudança focada real, potencial, social e econômica” ensina Drucker em seu artigo.

Mas se a oportunidade é então o elemento unificador entre empreendedorismo e inovação, como, portanto, identifica-la? Primeiro: o que seria uma oportunidade? Contarei aqui um breve relato para elucidar o significado disto. Espero que com esse relato fique claro sobre o que realmente a oportunidade representa em sua célula mais íntima e que a compreensão dela traga para quem lê o quanto ela deve ser buscada diariamente.

O relato

Lembro-me de uma aula da disciplina Sistema de Organização e Método do saudoso professor Bartholomeu Rebouças no primeiro semestre de 2010 quando ele contou em sala que, antes de chegar, estava preso em um engarrafamento.

Durante aquele estressante momento parou para verificar o que havia ao redor dele e viu que, naquele trânsito caótico e travado, existiam duas coisas: um carro em cima da calçada com um outdoor eletrônico e um vendedor informal vendendo amendoim, paçocas e outros pequenos alimentos na perturbadora Avenida Paralela, em Salvador.

 

 

Avenida Paralela

Um dia comum na engarrafada Avenida Paralela

 

De repente, após descrever com riqueza de detalhes o trânsito, Bartholomeu faz a pergunta:

- Vocês conseguem perceber algo? O engarrafamento era ruim para mim, para o vendedor informal e o rapaz do outdoor ou apenas para um dos três?

A sala falou “para você”. E ele retruca com um “por que?”

- Por que o vendedor está em uma situação ideal para venda, enquanto o rapaz do outdoor se beneficia dos carros parados para apresentar uma inserção publicitária. Explica um aluno da turma.

Bartholomeu então faz a questão:

- Mas o que isso representa para o vendedor informal e o rapaz do outdoor eletrônico?

Silêncio na sala. Um aluno se atreve a responder:

- Uma oportunidade!? – indaga o aluno

- Correto. Mas e para mim? – retruca o professor

- Para você é um problema, suponho – responde o aluno.

- Exatamente. Conseguem entender que a oportunidade surge em grande parte quando um problema é facilmente identificado? – conclui o professor. A sala concorda e a aula segue.

Mas há uma indagação importante. Quantos problemas existem no mundo? Vários, não é? Em quantos desses problemas você, empreendedor, é capaz de notar uma oportunidade da qual poderia se aproveitar e oferecer algo de valor?

Todo problema é uma oportunidade para inovar

Mas há uma indagação importante. Quantos problemas existem no mundo? Vários, não é? Quantos desses problemas você, empreendedor, é capaz de notar neles uma oportunidade para se aproveitar e oferecer algo de valor?

Se o dinheiro público, por exemplo, é mal utilizado, isso é um problema que precisa ser resolvido. Qual seria, então, a oportunidade em cima disso para um empreendedor com espírito público? Desenvolver um portal de transparência para monitorar o uso da verba pública é uma das opções.

Quantos problemas existem ao nosso redor que ouvimos as pessoas criticar e não notamos neles uma oportunidade? Exercite as conclusões dessa resposta todos os dias.

A pesquisa de mercado para vencer em um ambiente competitivo

Em um país com quase 200 milhões de habitantes dá para imaginar o quanto que cada um prefere em serviços ou produtos? Mais ainda: é possível cogitar quantos têm condição de arcar com o que desejam? Certamente, para não incorrer em erro, a resposta seria não. O instrumento capaz de mensurar tais preferências, condições etc. é a pesquisa de mercado.

Sobre a pesquisa de mercado

A pesquisa de mercado é o panorama do setor do mercado no qual a startup deseja se inserir. Parte-se do princípio de que ela deve abordar o mercado por duas esferas: a oferta e a demanda.

Antes, uma breve consideração: o mercado é um espaço de trocas onde prevê, no mínimo, dois elementos: a oferta e a demanda.

Uma pesquisa de mercado bem feita pode facilitar sua vida

Uma pesquisa de mercado bem feita pode facilitar sua vida

A oferta

A pesquisa na esfera da oferta busca descrever por palavras, estatística ou graficamente as características dos que ofertam um serviço. São informações como quantidade de empresas ofertantes, quantidade de sua produção ao longo do tempo, fatia de mercado, qualidade do produto ou serviço, o preço que ofertam, bem como o, faturamento, receita e lucro dos mesmos. A oferta é um componente fundamental, por que ela reside no ponto onde a startup vai se localizar: como uma ofertante de serviço.

Considerando que a empresa é também uma ofertante, é necessário entender o grau de intensidade de competição dos seus concorrentes, sabendo com quem ela pode travar uma competição e com quem ela ainda deve evitar.

Uma consideração importante: entender a oferta é fundamental. A startup que busca ter um panorama do lugar e suas características, sai na frente porque, ao se posicionar, haverá de ter uma estratégia para liderar o setor, após assumir seu lugar no mercado. Pense que um jogador de nível intermediário no poker está disposto a entrar no cassino para disputar algumas partidas. Esse jogador, esperto do jeito que ele é, prefere primeiro observar no cassino as disputas em cada uma das mesas e quais são as competências, habilidades e defeitos de seus concorrentes: “a mesa um é forte, tem muito participante bom, mas a mesa cinco parece ser mais favorável a ter maiores retornos”. Portando essa análise das mesas e de seus jogadores, ele vai escolher se posicionar na que melhor pode lhe der retorno, dado os seus recursos financeiros e de conhecimento disponíveis naquele momento – e com a experiência das perdas ou ganhos em cada mesa, o jogador poderá galgar novas mesas de apostas mais acirradas e maiores, com retornos mais pomposos.

A demanda

E a demanda? Nada mais do que a quantidade de indivíduos capazes de absorver os serviços ou produtos da ofertante. Ao se referir capazes de absorver, presume-se que eles, os consumidores, ou demanda, além de desejarem o que pretendem consumir, devem também ter a condição para arcar com o consumo do que desejam – muitos amam a Ferrari, mas poucos são capazes de comprá-la.
A mensuração da quantidade da demanda perpassa por tarefas como segmentar essa demanda em fatias a qual convém ao perfil de cada mercado, saber o quanto estão dispostos a pagar pelo que desejam, conhecer a motivação real pelo produto ou serviço etc. Saber quais critérios cada um avalia na prestação do serviço ou em um produto são importantes como vias que definem a abordagem da startup para com a demanda.

Os clientes representam o elemento que sustenta a Organização. Eles não a sustentam no sentido de prestar uma contribuição samaritana, mas porque, devido a uma ação de averiguar os melhores serviços ou produtos que atendessem a sua necessidade no mercado, enxergou em uma empresa a melhor resposta para esse atendimento. Ou seja, os clientes sustentam não por bondade, mas por consequência de uma escolha estritamente pessoal. O cliente acaba, por tabela, promovendo a perpetuação da empresa, quando esta é capaz de cumprir com a qualidade para satisfazê-lo. Então vale lembrar que a startup com a pesquisa de mercado em mãos deve ter nas suas ações uma única orientação: uma ação orientada para melhor satisfazer o seu cliente, pois dele vêm uma parte fundamental para a sobrevivência da empresa.

pesquisa de mercado

Conheça bem seu público alvo

Considerações adicionais

No texto aqui escrito foi citado que na pesquisa de mercado devem ser analisados os preços ofertados pela concorrência e o preço em que a demanda está disposta a pagar. Torna-se primordial compreender a disparidade de preço entre o que a demanda está disposta a pagar e o que a oferta dispõe, pois a startup pode elaborar uma estratégia de posicionamento de preço capaz de alavancar suas vendas. Por exemplo, considerando que um serviço X é ótimo, mas a demanda não está totalmente disposta para pagar o preço Y, o empreendedor com a pesquisa de mercado em mãos, sabendo que o seu novo serviço preenche uma deficiência que o mercado não conseguiu suprir, pode oferecer um preço menor (Y-1) e aumentar suas chances de ter um número de clientes maior.

Um exemplo claro de análise da demanda é quando uma banda pretende fazer uma turnê: ela escolhe os lugares onde melhor pode comportar a seus fãs, dado seus recursos, que são limitados. Mas mais do que isso, escolhem um local onde a demanda por aquele espetáculo é maior.

A pesquisa de mercado reduz os riscos ou dá a dimensão correta destes. Quem entra em um terreno sem conhecer seu mapa perde a guerra por negligência assim como quem entra no mercado sem conhecer seus concorrentes e clientes, pode deixar de existir por não considerar que existem forças fora do seu controle capazes de sucumbir até mesmo uma startup com uma boa ideia.

CONAQ – Uma nova forma de empreender

 

Já é fato conhecido e assumido que o Brasil é um dos países mais empreendedores da atualidade. De acordo com o Global Entrepreneurship Monitor (GEM 2011), 27 milhões de brasileiros estão envolvidos em um negócio próprio ou na criação de um, aparecendo em terceiro lugar no ranking de 54 países analisados. Leia Mais »

As 6 regras de sucesso de Arnold Schwarzenegger

Para a grande maioria das pessoas, Arnold Schwarzenegger não passa apenas de um ator de filmes de ação. Até mesmo, esquecem que ele já foi governador de um estado americano. Seus filmes, que ainda animam as tardes de domingo, representam o ápice do sucesso de um atleta que nasceu do fisiculturismo, mas que, evidentemente, não se limitou e inovou de uma forma surpreendente. Mas o que será que este homem tem haver com empreendedorismo? Absolutamente tudo.

Leia Mais »

Não há tempo para se acomodar

 

Um amigo conversava sobre zona de conforto. Ela é boa ou ruim? Você está na zona de conforto? Leia agora sobre a acomodação: ela só pode fazer mal a você. Leia Mais »

Retrospectiva 2011 e objetivos para 2012

 

O ano de 2011 teve uma importância ímpar para o empreendedorismo nacional. Vários eventos e empresas nasceram ou se perpetuaram, com a temática do empreendedorismo. O nosso portal cobriu, escreveu e fez parte da elaboração destes, sempre com a meta que serve como uma bandeira estampada em nosso blog e vida dos autores: divulgar conteúdo de qualidade. Leia Mais »

Empreendedorismo e coaching

O Empreendedorismo pode salvar um homem, uma família, um bairro, uma cidade, um estado, um pais…e o planeta! O espírito empreendedor se compõe de características humanas que, porém, precisam ser estimuladas na maioria das pessoas. Neste artigo será mostrado como empreendedorismo e coaching podem ajudá-lo a alcançar seus objetivos.

Empreendedorismo e coaching

Afeição ao risco, à mudanças, visão sistêmica, planejamento, foco e ação são características que todas as pessoas possuem ou podem aprender.

Conheço muitas pessoas que adorariam empreender e não o fazem por um motivo: medo. Medo de perder o que já conseguiram obter em suas vidas. Por medo de perder o que já tem, abrem mão de buscar obter muito mais. Isso está registrado no cérebro reptiliano que governou o mecanismo de sobrevivência humana quando o homem vivia entre a necessidade de caçar, acumular o que havia conseguido e o medo de se tornar a caça quando era o caçador. Mas isso ocorria há milhões de anos. Hoje os tempos são outros.

Todas as pessoas têm um sonho, a vontade de realizar algo. E a rotina sempre recebe a culpa de ser a responsável pelas pessoas não buscarem os seus sonhos. Empreendedores sonham, pessoas sonham, logo, pessoas são empreendedoras. Portando, se você tem um sonho, o que acha de arregaçar as mangas e tratar de realizá-lo?

Qual é o seu sonho?

O primeiro passo é responder a essa pergunta: qual é o seu sonho? Montar um novo negócio? Criar uma nova divisão na empresa na qual você trabalha? Desenvolver um novo produto? Formar uma família?

O próximo passo é responder às perguntas abaixo:

  • Por que esse sonho é importante para você?
  • O que você estaria disposto a fazer para realizar esse sonho? Faria qualquer coisa dentro dos limites éticos para realizar seu sonho sem fazer mal a ninguém?

Uma das coisas mais importante que os seres humanos têm são os seus valores. E os empreendedores os sabem muito bem, de forma clara, hierarquizada e criteriosa. Saber os seus valores equivale a ter uma bússola interna que define o que você quer e por que isso é importante. Depois vem o relógio, que te ajuda a definir como fazer e quando.

O coaching pode auxiliar o seu dia a dia

O coaching pode auxiliar o seu dia a dia

Primeiro a bússola; depois o relógio. Mas a maioria das pessoas está com o relógio na frente sem sequer saber da bússola. Por isso, ficam cumprindo tarefas, enchendo a agenda de tarefas, correndo para realizá-las e, ao chegar o final do dia, se sentem exaustas e com a sensação de que nada fizeram de grandioso. Por isso as pessoas usam uma justificativa já muito batida: “não tenho tempo”. Balela! Tempo é o recurso mais bem distribuído e todos temos o tempo necessário para realizar nossas prioridades. Aí é que está o pulo do gato: quais são as suas prioridades? Quem define a sua agenda? Você tem objetivos seus claramente definidos? Alerto: se você não tem seus próprios objetivos claramente definidos, fique tranqüilo que alguém usará a sua força de trabalho para atender aos objetivos dele, desse alguém.

Por isso, levanta e vai! Faça seu sonho se tornar realidade. Defina o que você quer fazer e “por quê”. Trace uma linha do futuro para o presente e se ponha na ponta do futuro com o se já estivesse concluído o seu sonho. Venha voltando se perguntando: “o que fiz imediatamente antes de ter conseguido chegar nesse ponto?” e vá voltando e se perguntando isso.

Para cada tarefa descrita, avalie se ela é:

  • Especifica: torne-a claramente definida
  • Mensurável: crie um indicador para medir a evolução
  • Atingível: porém desafiadora
  • Relevante: que seja muito importante para você, que atenda aos seus valores de vida e existência
  • No tempo: que cada etapa desse sonho tenha uma data para acontecer.

Garanto que, com isso, você será capaz de ver a questão por outro ponto de vista, diferente de como você sempre viu, e poderá decidir por um novo caminho. O caminho do empreendedorismo.

Desafios do ensino da educação financeira para crianças

 

Todos nós conhecemos alguem que sofre por problemas financeiros que atingem não somente a sua vida profissional, mas também a sua vida pessoal,  no aspecto familiar. Este dilema que uma grande parcela da sociedade vive foi exposto no programa do Globo Repórter do dia 2 de setembro de 2011.  No programa, apresentaram um casal que possuiam mais de 20 cartões de crédito e que somadas as dívidas, chegaram ao valor de R$100 mil reais! Leia Mais »

Histórias de sucesso: Donald Trump

Meu contato com Donald Trump sempre se resumiu ao programa “O Aprendiz” americano. Com seu jeito extremamente ríspido, dizia com boca cheia o jargão “you’re fired!”. Todos os que ouviam essa frase, iam embora, de maneira triste e conformada, enquanto os que ficavam olhavam com seriedade o “coach(treinador)”,  aguardando a oportunidade de melhorar e se capacitar ainda mais para ganhar a tão sonhada vaga nas empresas Trump. Recordo-me que sempre era árduo este processo de peneirada no programa. Leia Mais »